Então pense: Você quer morrer trabalhando ou quer viver e trabalhar?
Esse texto foi colocado no blog em 2014, será que mudou alguma coisa?



A frase é daquele que é considerado o pai da administração moderna (Peter Drucker) – e revela uma verdade preciosa para os dias de hoje.

Drucker acompanhou um período sem precedentes na terra, no que diz respeito ao mundo dos negócios e produziu um acervo fantástico para a área corporativa.

Analisar a citação dele é importante, pois revela um conteúdo que poucos defendem. Nesta frase ele expressa sua preocupação com o alcance de crenças errôneas, sobre o trabalho, na vida das pessoas.

A falácia é imensa. Entende-se que trabalhar é uma função que deverá ser exercida 24 horas por dia. Aliás, muitas pessoas já cogitam ser um absurdo viver em um planeta cujo dia oferece apenas 24 horas. Alegam ser impossível cronometrar atividades profissionais tão intensas em tão pouco tempo.

Penso que isso significa que determinados profissionais, já não são mais desse mundo. Já transcenderam para um mundo onde a escravidão impera e, eles por sua vez identificam-se e adoram dedicar-se ao trabalho de uma maneira total, ampla e irrestrita.

Que planeta é esse? Eu não sei! Mas muitos já foram abduzidos, mesmo ainda tendo o corpo entre nós.

Nessa situação cito pais que já estão lá e, esquece que têm filhos, família, passeio, diversão, saúde, corpo, qualidade de vida, de sono, de tantas coisas. Assim, incluo também mulheres que decidiram seguir a cartilha do outro planeta a risca.

Filhos, desses pais, já estão sendo preparados para a crença em que só vence na vida quem tem 28h, ou 30h do dia ocupado com tarefas de estudos.

Nesta cartilha, não vale ver o filho distraído, por exemplo, com a contemplação de um silêncio, ou de um fazer nada.

Estamos, portanto, diante do desgastante ofício de nos convencermos que trabalhar é a única prova de sanidade que podemos dar a nós mesmos e aos outros. Insanidade seria o contrário. Ou seja:

- Levar o filho para tomar sorvete depois da aula de inglês, nem pensar!

- Escolher fazer terapia para aumentar a compreensão sobre conflitos, impraticável!

- Cortar grama no final da tarde sentindo o aroma das folhas e da natureza presente no pátio, loucura!

- Jogar futebol às 16h, enquanto os outros estão fechando metas de venda, insanidade!

- Ir ao cinema durante uma tarde qualquer da semana, com família? Falência certa!

- Parar no final de semana para dormir? Absurdo!

- Ficar em casa, descobrindo o que se sente quando não estamos trabalhando? Loucura!

Em meio a esses rompantes ouvimos afirmações como:

- Trabalho de sol a sol, e é assim que deve ser!

Eu me pergunto: Como fica aquela famosa frase:

- A um tempo de plantar e outro de colher, lembram? Então quem é louco por trabalho, jamais colherá?

-Mas quem colherá no lugar dele?

-Colherão os filhos?

-Os netos?

-Mas colherão o quê?

-Saudades?

-Fortunas?

-Ausências intransponíveis?

-Esposa?

-Mãe?

-Pai?

-Quem colherá e o quê?

Sendo assim, senhoras e senhores, a frase Peter Ducker, referencia no mundo corporativo: Ganhar a vida já não é suficiente, o trabalho tem que nos permitir vivê-la também, nos convida a refletir sobre o que cada um de nós está fazendo com sua vida pessoal.

Se nos transformamos nos chamados workaholics, perdemos o foco verdadeiro da nossa passagem por este planeta, trocando os meios pelos fins.

Sim, a profissão, o trabalho, tudo isso são meios. Meio de subsistência; meio de crescimento intelectual, meio de ser útil.

Quando percebermos que o mundo dos negócios, a vida profissional está nos deixando quase loucos, é tempo de parar tudo e repensar.

Não podemos deixar de trabalhar, é certo, mas quem sabe possamos deixar o trabalho mais leve, menos extenuante, menos neurótico, permitindo que vivamos a vida em abundância.

Eu já decidi, meu dia tem 24h e o trabalho faz parte, mas não é tudo. O dia em que representar tudo, é por que estarei em fuga.

Qual a sua opinião?
Deixe um comentário.

Texto Retirado do site: Administradores
Photo by Fabrizio Verrecchia on Unsplash



Se você tiver um tempo e pesquisar na internet você provavelmente irá encontrar muitas pessoas de vários ramos de atividades falando sobre a importância de focar-se e de concentrar-se. Principalmente concentra-se em coisas que realmente importam, que são essenciais, mas o que você talvez não encontre com tanta frequência são pessoas que realmente fazem isso.

Sabe porque é tão difícil encontrar pessoas que realmente sabem e conseguem focar em seus planos e objetivo?

Porque na verdade fazer isso requer que você aprenda a dizer “Não”, pois para você focar em algo que você deseja ou sonhe, provavelmente você estará fazendo alguma “troca”, tirando sua atenção de coisas, pessoas e pensamentos para colocar sua energia no que realmente importa.

E isso significa dizer não para as outras coisas.

Mas eu e nem mesmo você pode julgar as pessoas que tem dificuldades de dizer não, afinal não é uma tarefa tão simples assim e todos temos boas razões para isso:

- Talvez você tema que ao dizendo “não” corra o risco de talvez perder uma grande oportunidade.

- Ou medo de simplesmente entrar no barco e começar a navegar, medo de deixar as coisas, de desapegar, de queimar pontes que não servem e não te leva a lugar algum.

- E muitas vezes você pode não saber como lidar com o desapontamento de outras pessoas em relação as suas escolhas

Isso parece familiar para você?

Agora, pensar dessa forma não faz de você uma pessoa fraca ou que não sabe o que quer. Esse tipo de comportamento e pensamento é muito comum no ser humano. Então imagine se é difícil tomar este tipo de decisão como você fica quando falha com você mesmo? Quando você perde a chance de realizar coisas mais importantes? 

Isso pode ser muito mais frustrante e vai te acompanhar por muito mais tempo do que o sentimento de ter desapontado alguém por dizer “não”.

E porque será que é tão difícil saber diferenciar o que é essencial do que, não é?

A primeira coisa é que temos dificuldades em definir o que é realmente importante, o que é essencial. Quando isso acontece ficamos totalmente indefessos, por outro lado se você tem o que é essencial para você bem claro é como se você tivesse um campo de proteção, uma barreira para o que não é essencial entre em sua vida, e assim não leve você para outro caminho.

A segunda coisa é que não queremos deixar as outras pessoas desapontadas conosco, ficamos preocupado em “machucar” nosso relacionamento, mas esse tipo de pensamento te distrai, te tira da realidade e por vezes ao dizer “não” a alguém pode te levar ao arrependimento, mas será por pouco tempo ou você pode dizer sim e arrepender-se por dias, semanas, meses e até mesmo anos.

A única forma de sair dessa armadilha é aprender a dizer não de forma firme, resoluta e claro sendo: educado, verdadeiro, amoroso e respeitoso com as outras pessoas.

Aprender a dizer não ao que não é essencial ajuda você a liberar energia, espaço e tempo assim você pode fazer menos, mas melhor.


Fonte: Essentialism: The Disciplined Pursuit of Less - Autor: Greg Mckeown 


Photo by Toa Heftiba on Unsplash